na cidade

Está a chegar mais uma edição da Feira Medieval de Coimbra (em formato alargado)

O evento decorre de 19 a 21 de julho no Largo da Sé Velha. Não vão faltar stands de comida, música, animações e saltimbancos.
A animação é garantida.

Coimbra está prestes a viajar no tempo com a Feira Medieval mais antiga do País. Aqui, os visitantes recuam até à Idade Média, quando ainda existiam festas arcaicas com reis e rainhas. Este ano, a feira regressa entre os dias 19 e 21 de julho não só no Largo da Sé Velha, como também na rua Quebra-Costas, Pátio do Castilho, Alta de Coimbra, até ao Arco de Almedina.

O alto da cidade volta a transformar-se num cenário medieval, com um recinto mais alargado do que no ano passado. O evento procura replicar o “ambiente mercantil e a sociabilidade da altura”, salienta a organização, onde promove a diversão, o lazer e a diversão dos visitantes.

A 29.ª edição da feira tem como mote os “960 anos da conquista definitiva de Coimbra por Fernando Magno, ficando o governo da região entregue a D. Sesnando”. As festividades arrancam dia 19 de julho com a Ceia Medieval pelas 19 horas, onde os participantes podem provar um verdadeiro banquete digno de reis e rainhas, onde deverão ir vestidos a rigor.

No dia 20 de julho, a abertura do mercado acontece ao meio-dia. O espaço vai estar repleto de artefactos bélicos e acampamento castrense no Largo da Sé Velha. Além disso, a feira conta ainda com a presença de tabernas, animação e saltimbancos. Todo o recinto estará preenchido com animação permanente, tal como o treino de arco e espada ou o anúncio dos banhos e noivado entre Dom Sesnando Davides e Loba Nunes. O dia termina pelas 23h30 com o encerramento dos festejos e a ronda dos aguazis.

Já no dia 21 de julho, a festa começa ao meio-dia com a Abertura do Mercado e arruada de trovadores. Pelas 14 horas, começa então o cortejo de anunciamento da filha de Dom Sesnando pelas 14 horas. A tarde será ocupada com quadros e figuras de reposição época. As festividades enceram pelas 21 horas com a lavagem dos cestos e almotolias.

 

 
 

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA