cultura

Já se conhece o cartaz da Feira do Ano em Montemor-o-Velho

Certame realiza-se entre 2 e 10 de setembro na zona central da vila. Entrada em todo o evento é gratuita.
Sara Correia atua no dia 6 de setembro.

O Município de Montemor-o-Velho já deu a conhecer o cartaz de espetáculos da Feira do Ano. Entre 2 e 10 de setembro, o certame tem lugar no centro da vila e a entrada durante os nove dias é gratuita.

No dia de abertura ao público (2 de setembro), a autarquia revelou que a noite está reservada à banda Calema. A dupla António e Fradique conquistou o concurso de talentos “Luso Artist” em Estrasburgo. O prémio foi a gravação do disco “Bomu Kêlê” onde conheceram o manager Alexandre Cardoso.

Em Portugal, a estreia aconteceu com o álbum “A Nossa Vez”, cuja música que deu nome ao disco terminou o ano de 2017 como o vídeo mais visto no YouTube. Em 2019, participaram com o tema “A Dois” no Festival da Canção. Mas foi em 2020 que o grupo passou a ser mais conhecido do público com o álbum “Yellow” e o tema “Te Amo”. Mas o recente dueto com Mariza no tema “Maria Joana” colocou a banda nos lugares cimeiros das músicas mais ouvidas nas diversas plataformas.

Para domingo, 3 de setembro, o palco principal será ocupado por Nininho Vaz Maia. O artista que une o flamenco, o pop e a tradição cigana num estilo único, conquistou inesperadamente os fãs em 2019 com os seus temas originais no YouTube, somando mais de 54 milhões de visualizações orgânicas no seu canal oficial. “Raízes” é o álbum de estreia e conta com 11 faixas numa verdadeira homenagem às suas raízes, a comunidade cigana. As canções viajam por esse mesmo universo, garantindo um estilo musical único, feito com emoção, sem receio do erro e com um objetivo muito claro: transmitir sentimentos reais.

Ao terceiro dia, 4 de setembro, Ana Malhoa vai deixar a vila toda “turbinada”. Filha do cantor José Malhoa, estreou-se nos palcos em 1985. Mas é o programa “Buéréré” na SIC que a torna conhecida do grande público. A partir desta aventura, a cantora e produtora lançou em 2000 o seu primeiro disco a solo. A partir daqui, já lançou diversos CD tendo em todos eles garantido sempre um ou dois temas de sucesso. “Tá turbinada”, “Sube la temperatura” e “Bomba latina” são alguns dos sucessos que irão fazer parte do alinhamento deste concerto.

Carolina Deslandes irá estrear-se em Montemor-o-Velho na terça-feira, 5 de setembro. Com milhões de visualizações no YouTube, a cantora e produtora tem trilhado um percurso meteórico desde a sua estreia, afirmando-se como uma das maiores referências não apenas no universo digital, mas na música nacional contemporânea.

O primeiro disco data de 2012 e tem o nome da cantora. Quatro anos depois, lançou o “Blossom” com temas todos em inglês. Mas é com o disco “Casa”, que saiu em 2018, que a cantora se deu a conhecer com temas como “A Vida Toda” e “Avião de Papel”, este último com a participação de Rui Veloso. “Mulher” (2020) e “Caos” (2023) são os mais recentes trabalhos.

A noite de 6 de setembro está reservada ao fado de Sara Correia. Apesar de, em 2008, ter editado um disco com o nome “Destino”, é só em 2018 que a fadista se dá a conhecer ao grande público. O álbum com o nome da cantora revela temas como “Fado Português” e “Quando o Fado Passa”. Apelidada de “furacão do fado” e de “grande voz da nova geração”, Sara Correia lançou o segundo disco denominado “Do Coração” que conta com temas do fado tradicional e vários originais — compostos e escritos para a sua voz. 

Para 7 de setembro, véspera de feriado municipal, é a vez do rapper Bispo. Pertencente à new school da Linha de Sintra, oriundo de Mem Martins, Bispo lançou-se nas edições no ano de 2014, quando de forma independente surgiu com o EP Bispoterapia. Mas foi nas plataformas digitais e nas redes socais que se deu a conhecer, numa total inversão do que até há alguns anos era a norma da indústria musical. “Mais Antigo” foi o álbum de estreia em 2020, mas acabaram por ser os duetos com nomes como Bárbara Tinoco e Lon3r Johnny que demonstram toda a sua qualidade como artista neste segmento musical.

O feriado municipal de Montemor-o-Velho é assinalado a 8 de setembro. Neste dia, o palco está reservado para Jorge Palma. Depois de algumas experiências em grupos, foi só em 1975 que o cantor se estreou a solo com o disco “Com uma viagem na Palma da Mão”. “Té Já” (1977), “Asas e Penas” (1984), “O Lado Errado da Noite” (1985), “Quarto Minguante” (1986), “Só” (1990), “Deixa-me rir” (1996), “Jorge Palma” (2001), “Com Todo o respeito” (2011) e, já este ano, “Vida” são os trabalhos de referência do cantor que conta com muitos sucessos ao longo da carreira.

No sábado, 9 de setembro, a escolha recaiu em Ivandro. Com 24 anos, começou a dar os primeiros passos na música em 2013, quando iniciou a composição dos seus primeiros originais, ao mesmo tempo que, no seu canal de YouTube, publicava covers de temas de outros artistas. Responsável pela masterização de algumas das suas próprias canções, também já trabalhou, na produção de outros temas, com nomes sonantes do cenário musical português — o tema Moça, um dos mais famosos de Ivandro, de 2021, foi produzido por Slow J. Os singles “Lua” e “Como Tu”, com Bárbara Bandeira, são um sucesso nas várias plataformas.

O encerramento das festas concelhias (10 de setembro) está a cargo da Fada Juju. Um espetáculo que junta música, fantasia e muitos amigos especiais, espalhando a magia da igualdade, enquanto canta, dança e fala com as mãos. Em palco vai ficar a conhecer-se a história de uma jovem fada, iniciante nas artes dos sonhos, que não consegue descobrir qual a sua verdadeira vocação. Muito alegre e bem disposta, é também muito distraída. Direcionado a todas os miúdos e suas famílias, trata-se de um espetáculo inclusivo e desmistificador da pessoa com deficiência.

Se está a pensar em ir a Montemor-o-Velho, tem de passar pelo novo parque ribeirinho. Carregue na galeria e conheça este espaço recentemente requalificado.

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA