Powered by CIM|RC

cultura

Guilherme Baptista ficou em terceiro lugar no “The Voice Portugal”

A final do concurso da RTP1 decorreu este domingo, dia 7 de janeiro. O jovem sourense terminou no pódio.
O jovem tem 17 anos.

A final do concurso de talentos, “The Voice Portugal”, foi transmitida este domingo, 7 de janeiro, na RTP1. Desde o início da competição que o objetivo do sourense, Guilherme Baptista, era ganhar. No entanto, o jovem conquistou o terceiro lugar, com 29 por cento dos votos do público. O vencedor da noite foi José Bacelar, conhecido por adorar “música dos anos 60 e 70” e cantores como Kenny Rogers, Willie Nelson, ou o próprio Johnny Cash.

A vitória do programa foi disputada entre os cinco concorrentes que mais se destacaram ao longo dos últimos meses: José Bacelar e Maria João Soares, da equipa de António Zambujo, Mafalda Vasques orientada por Sara Correia; Guilherme Baptista com o apoio de Fernando Daniel e Manuel Antunes com a mentora Sónia Tavares. Maria João Soares ficou em segundo lugar.

A gala contou também com vários convidados especiais, que subiram ao palco para cantar, como o vencedor da edição anterior, Gustavo Reinas; o coletivo Amália Hoje; Ana Moura; Raquel Tavares; Herman José e Carlão.

Em entrevista à New in Coimbra, Guilherme Baptista, 17 anos, admitiu que queria vencer o programa. “Todas as semanas dou tudo de mim, mas ainda não mostrei tudo. Se sair, claro que fico desiludido, não apenas por mim, mas por ser o único na equipa do Fernando. Também não o quero desiludir”, reforçou em dezembro do ano passado.

Os temas escolhidos para encerrar a sua prestação foram “Use Somebody”, de Kings of Leon, “Numb”, de Linkin Park, e “Nada a perder”, originalmente cantado pelo mentor Fernando Daniel, em dueto com Carlão.

Ainda que não tenha sido o resultado esperado, Guilherme ficou entre os três melhores candidatos desta edição do “The Voice Portugal” e promete não ficar por aqui. “Tenho esperança que o programa seja a minha rampa de lançamento. Apesar de não ter ganho, vou continuar, até porque sei que o Fernando Daniel vai ajudar-me em tudo o que precisar, tal como fez com os meus colegas que já saíram”.

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA