Powered by CIM|RC

cultura

Está a chegar um festival sobre igualdade de género para miúdos

Terceira edição do Género ao Centro está dividido entre Castanheira de Pêra, Góis e a cidade de Coimbra.
Festival Género ao Centro vai trazer workshops, debates e espetáculos.

A igualdade de género e todas as questões associadas a este tema têm sido amplamente discutidas, nas várias faixas etárias. É neste contexto que surge o festival Género ao Centro, destinado para miúdos acima do primeiro ciclo, assim como para adultos que trabalhem diretamente com a infância, nomeadamente educadores e a própria família.

Em 2023, o festival completa o terceiro ano de existência e vai decorrer nos dias 7, 9 e 11 de novembro, não só em Coimbra, mas também em Góis e em Castanheira de Pêra. A organização do evento está a cargo da Catrapum Catrapeia, uma associação que se dedica à educação dos mais novos através da arte.

O programa está direcionado para a arte infanto-juvenil, aliada à temática da igualdade de género. As várias atividades do festival vão incluir debates, workshops, espetáculos e oficinas de música. Segundo a mesma, a estrutura vai ser mantida, sendo que este ano o pano de fundo vai ser a sétima arte, “para criar um espaço de discussão sobre quem produz, para quem e as mensagens que esta veicula”.

A base para todas as iniciativas é também, de acordo com a organização, “uma peça de teatro onde é valorizado e debatido o papel e a representação das mulheres”. Este ano, a peça de teatro elegida é “Ó! Que bonito que seria!”, que vai trabalhar a arte digital e a literatura sobre igualdade de género. Segundo a Catrapum Catrapeia, esta peça vai ser oferecida a toda a comunidade que participar nas iniciativas.

O primeiro dia, a 7 de novembro, vai acontecer em Castanheira de Pêra, no Auditório Municipal da Praça da Notabilidade. O programa arranca às 11h30, com a interpretação de “Ó! Que bonito que seria!”, seguido de um debate sobre o espetáculo. Na parte da tarde, por volta das 15h30, vai ter lugar uma entrevista ao palco a um profissional do cinema, com moderação da Aborda.pt, plataforma de jornalismo feminista. À mesma hora tem lugar um workshop de sonoplastia, conduzido por profissionais do som em cinema.

Já o dia 9 de novembro ruma até Góis, à Casa da Cultura e à Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas de Góis. A parte da manhã, pelas 10h30, vai ser dedicada à exibição de curtas-metragens que abordem o tema da igualdade de género, seguido de um debate, à semelhança do programado em Castanheira de Pêra. O programa da tarde é igual ao de Castanheira de Pêra, contando com uma entrevista e um workshop de sonoplastia.

O último dia (11 de novembro) regressa a Coimbra e vai ter também cinema e um debate pela manhã, por volta das 10h30. O local escolhido para a realização do último dia do Género ao Centro é o Atelier A Fábrica. Para a tarde, não está nada programado, havendo, no entanto, um pequeno lanche disponibilizado pela organização do festival. O programa recomeça às 21h30, para uma noite de mais cinema, com curadoria da Porto Femme — International Film Festival, uma das entidades parceiras do Género ao Centro.

Com esta programação, a organização do festival admite querer levar o debate sobre a igualdade de género mais longe. Sendo assim, atribuem importância à questão da representação da mulher nos media, sobretudo no cinema.

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA