Powered by CIM|RC

compras

A coloração fácil de manter que rejuvenesce o visual das mulheres com mais de 40

"A opção mais procurada" ilumina o cabelo, o rosto e garante um ar mais radiante. O melhor? Adequa-se a todos os tons de pele.

Em cima de um palco ou fora dele, os looks extra-glam de Jennifer Lopez são sempre exemplos de jovialidade. Quando atuou na final da Super Bowl em 2020, por exemplo, a artista 54 anos deixou o público assoberbado. Das pernas torneadas, ao rosto impecável, à longa e invejável cabeleira — tudo cativava.

O cenário repete-se em todas as fotografias. A maquilhagem está sempre perfeita — graças ao maquilhador Scott Barnes —, mas é o cabelo com assinatura do amigo e cabeleireiro Chris Appleton que mais vezes chama à atenção. O seu habitual tom caramelo é um dos aliados de peso do seu aspeto jovial.

Quando falamos da coloração que mais combina com mulheres acima dos 40 anos, existem muitos fatores a ter em conta. A escolha não se limita à cabeleira. Tal como acontece com o corte, é importante manter uma aparência radiante, que destaque os traços do rosto e que ajude a pele a parecer mais vibrante — sem necessidade de qualquer maquilhagem.

A lista parece exigente, mas há uma opção a ter em conta. O tom dourado, mantendo a raiz na sua cor natural, “adequa-se a todas as mulheres portuguesas, que normalmente têm a base do cabelo muito à volta de pigmentos quentes”, explica à NiT a colorista Cátia Monteiro. E J-Lo, que tem ascendência latina, é a prova de que o “truque” funciona mesmo.

“Neste momento, é a opção mais procurada. Começo a notar um padrão sobretudo acima dos 50 anos”, acrescenta. “No entanto, também tenho miúdas com 20 a pedir porque começam a ter alguns brancos na parte frontal da cabeça.”

Este sinal de envelhecimento é uma das questões que mais fragmentam as clientes, sendo que o loiro dourado é o que mais esconde os fios grisalhos, além de ajudar a “atenuar as linhas de expressão e tornarem menos visíveis as manchas vermelhas na pele”.

Se a raiz diferir muito da sua matiz natural, nota-se mais o aparecimento dos cabelos brancos quando cresce. O ideal é optar pelo balayage, ou seja, madeixas que se fundem com a coloração original e que garantem que o couro cabeludo fica com um aspeto menos artificial, além de refinarem as características do rosto.

Quem deseja mais brilho e movimento, deve pedir “destaques solares”, que criam um efeito semelhante aos reflexos do sol nos cabelos. As madeixas não são necessárias, mas acabam por ser uma forma de dar apostar num novo visual sem uma mudança radical.

Outro dos cuidados a ter quando se pinta o cabelo é, claro, a cor de pele — que pode realçar ou o pigmento, ou fazer com que esmoreça. Neste caso, como há dezenas de variações de dourado, é possível adaptá-lo ao tom e sub-tom da cliente. Até mesmo as que têm a face muito pálida.

“Depois, temos de ter em conta o estilo de vida da pessoa: perceber se é alguém que se maquilha todos os dias ou se arranja muito o cabelo”, sublinha. “Isto influencia o resultado porque existe uma perceção diferente no momento de arranjar um sub-tom de dourado que faça sentido.”

Um dos motivos do sucesso é o facto de não obrigar as clientes a fazerem visitas mensais ao salão. Normalmente, a manutenção deve ser feita, em média, a cada quatro meses, para evitar os fios desbotados.

No entanto, o cuidado deve continuar em casa. Entre as dicas mais importantes, deve focar em produtos capilares profissionais, que sejam indicados para cabelos alterados quimicamente, e incluir uma nutrição na sua rotina diária. E, ocasionalmente, “é preciso uma reconstrução ou hidratação”, conclui a profissional.

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA