Powered by CIM|RC

comida

O Palco: o novo spot de Coimbra onde os protagonistas são os produtores da região

O espaço que tem inauguração oficial marcada para 29 de novembro vai servir cozinha de autor, com foco na sustentabilidade.
Produtos locais, com circuitos curtos, são usados no restaurante.

Risotto de caracóis, pastel de nata de tremoço, um prato vegetariano só com algas ou uma rocha de azeite são algumas das inovações que poderá experimentar no novo restaurante de Coimbra. O Palco, do chef Marco Almeida, abre a 29 de novembro, terça-feira, e nasceu para transformar os produtores da região em protagonistas. Cozinha de autor, “humilde e das raízes”, com respeito pelo processo e foco na sustentabilidade, é o que pode esperar.

A grande inovação do projeto está na relação direta que Marco Almeida tem vindo a desenvolver, ao longo de vários meses, com 17 produtores da zona centro (o que, aliás, deu origem a um documentário), que fornecem, diretamente, todos os alimentos utilizados no restaurante. O objetivo do chef, apaixonado pelo mundo rural e pela qualidade dos alimentos, é criar o primeiro restaurante “quilómetro zero” na zona centro. O conceito ainda tem raras aplicações na restauração em Portugal, mas n’ O Palco é garantido que todos os alimentos provêm, em média, de uma distância de até 39 quilómetros.

O azeite é o ingrediente que está mais distante, em Lagares da Beira, Oliveira do Hospital, e vem dos Azeites do Cobral. De Aveiro chega a salicórnia (Horta da Ria), as algas de Aveiro ( Algaplus), as ostras (Ostras em Casa) ou as farinhas da Moagem Carlos Valente, em Ílhavo, moídas em pedra, de onde vai sair o único pão, de massa mãe, presente no restaurante. De Cantanhede vêm os tremoços de Isabel Ribeiro e os legumes da Quinta dos Sardões (Gesteira). De Montemor, os cogumelos do Cesto d’Alice e de Coimbra os produtos do Super Local e os microvegetais dos Verdes do Mondego (Antanhol), assim como o café FEB

Um dos pratos.

Os caracóis que vão ser servidos num estufado tradicional ou num risotto, chegam de Ansião (Carakolandia) e as carnes do Grupo C’s, da Mealhada. A carta de bebidas também é totalmente da região e inclui cerveja Luzia, da Mealhada, os vinhos da Adega de Cantanhede e das Caves São Domingos, de Anadia, e o gin Adamus, de Aveiro.

“Tudo o que é usado tem a sua qualidade e além disso sabemos como é feito”, diz Marco Almeida. “Queremos estabelecer-nos e, em breve, obter a certificação de restaurante “quilómetro zero”. A relação direta com os produtores gera ciclos de consumo mais curtos, o que reduz a pegada carbónica do transporte e apoia os pequenos produtores, contribuindo para a fixação das comunidades rurais e do seu estilo de vida. Tudo isto faz parte daquilo em que acredito e que é necessário para ter uma cozinha e uma vida com qualidade”, afirma.

Por enquanto, O Palco abre com um menu definido (Palco Principal, Palco Infantil e Palco Vegetariano), mas, em breve, será um restaurante de carta fechada. “Queremos tirar o maior proveito da sazonalidade dos produtos e surpreender quem nos visitar”, afirma Marco Almeida.

“Queremos que as pessoas se sintam em casa, tenham uma experiência diferente, descontraída, mas com algumas regras de serviço. Quero que os clientes entrem e percebam que estão num sítio diferente, que respeita um simples tremoço da mesma forma que respeita um borrego”, explica. “Que percebam que uma cenoura dá trabalho, que um tremoço dá trabalho, que os negócios estão a mudar, por tudo o que aconteceu, e nós temos de nos virar para coisas mais pequenas, para sermos mais sustentáveis”, adianta. 

O chef e proprietário d’O Palco é formado em Gestão e Produção de Cozinha pela Escola de Hotelaria de Coimbra. Entre Portugal e Espanha, trabalhou com José Avillez, Vincent Farges, Martín Berasategui (detentor de 12 estrelas Michelin), João Rodrigues, Filipe Carvalho, Toño Perez, e, em Coimbra, com o chef Vítor Dias no restaurante do Hotel Quinta das Lágrimas.

Chef Marco Almeida.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Avenida Dom Afonso Henriques, n. º55
    3000-011 Coimbra
  • HORÁRIO
  • Segunda, quinta, sexta e sábado das 12h30 às 14h30 e das 19h30 às 22h30
  • Domingo das 12h30 às 15h00. Encerra às terças e quartas
PREÇO MÉDIO
Entre 30€ e 50€
TIPO DE COMIDA
De autor

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA