Powered by CIM|RC

comida

O novo restaurante da Figueira da Foz só tem 3 pratos (e uma canja preta)

O Pé no Bairro abriu a 21 de janeiro e trouxe um novo conceito à cidade com um menu reduzido.
A mesa está pronta.

Hugo Silva chegou à Figueira da Foz há cerca de 23 anos. Nasceu em Aveiro, mas morou em várias cidades portuguesas até decidir fixar-se em Coimbra. Na altura, Hugo e a mulher trabalhavam como bancários, até surgir a oportunidade de abrirem o primeiro espaço próprio.

“Era um sonho da minha mulher abrir um pequeno bar de sangrias junto à praia. Apesar desse projeto não ter avançado, surgiu uma nova oportunidade que nunca tínhamos pensado antes. De uma brincadeira surgiu algo sério”, explica o proprietário à New in Coimbra. Foi assim que nasceu o restaurante Pé na Praia, um dos mais famosos da Figueira da Foz. O processo não foi fácil mas, em apenas três anos, a família conseguiu dedicar-se inteiramente a este negócio.

Agora, aos 47 anos, Hugo decidiu ir mais além. Em vez de estar 100 por cento dedicado ao peixe e ao mar, trouxe novos sabores ao bairro. “Queríamos abrir um espaço que não fosse tão sazonal e estivesse mais afastado desse tipo de turismo. Encontrámos um espaço, renovámos tudo e fizemos o nosso novo cantinho”. 

O Pé no Bairro abriu a 21 de janeiro e tem capacidade para 56 pessoas no piso de baixo, 32 na esplanada e ainda 70 no primeiro andar. Este piso será inteiramente dedicado a eventos de grupo, já que conta com uma varanda e uma vista incrível. 

Relativamente ao menu, Hugo decidiu apostar num novo conceito. “Temos apenas três pratos principais disponíveis. A ideia foi apresentar uma proposta que não existe na cidade. Nos restaurantes da Figueira da Foz não há frango assado nem churrasco como especialidade”. Tendo essa aposta em mente, no Pé do Bairro vai encontrar frango assado (8,5€), entrecosto (12€) e bacalhau à lagareiro (18€).

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Restaurante e Take Away Pé no Bairro (@pe_no_bairro)

No caso das sopas, estão disponíveis a canja e a canja preta, outros elementos diferenciadores deste espaço. “A canja preta é essencialmente um arroz de cabidela, um pouco mais aguado, para ser comido enquanto canja”, explica. É então uma forma de unir dois pratos tradicionais, num formato pouco visto e utilizado. Todas as sobremesas são confecionadas pela mulher de Hugo. Pode escolher entre pão de ló com fio de ovos (3,5€), mousse de manga ou chocolate (3€), maçã assada (3€) e ananás (3€).

“Quero encontrar pratos que possam ser associados ao restaurante. Por exemplo, vou daqui até à Mealhada para comer um leitão, mesmo que existam outros pratos, é por isso que a região é conhecida. É isso que pretendo fazer na Figueira da Foz e afastar quer o peixe como o marisco”, defende. 

Apesar de ter apenas três pratos principais, o responsável não vai fazer mudanças em breve. “Depende da evolução e do que os clientes queiram comer”, afirma. A decoração é clean e transporta-nos para um ambiente de praia. Os tons escolhidos foram o branco e azul, numa referência ao mar.

O restaurante também ter serviço de take-away, o que dá mais liberdade relativamente ao horário, já que “a qualquer hora sai o pedido da cozinha”.

Carregue na galeria para conhecer melhor este novo espaço na Figueira da Foz.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua São Lourenço n1
    3080-147 Figueira da Foz
  • HORÁRIO
  • Quinta a segunda das 12h às 23h
  • Terça das 12h às 16h
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

MAIS HISTÓRIAS DE COIMBRA

AGENDA